Financiamento de carro: 7 dicas para acertar e economizar

A ideia de financiamento de carro é especial no universo mental de qualquer adulto do Planeta. Se houver vida fora dele, lá também deve ser assim, pois essa ideia leva uma série de detalhes. Não é simplesmente ir a uma agência de automóveis, firmar contrato e sair com o veículo.

É realmente muito mais. É símbolo de conquistas, imagem de sucesso, demonstração de progresso. Entretanto, atualmente e por conta do fluxo diário de atividades, é também necessidade. Deixou de ser instrumento de ostentação.

Porém, nem todo mundo dispõe dos altos valores de carros praticados no Brasil. Na maioria das vezes, depende do bom e velho sistema financeiro de financiamento. E aí aquela sensação de ser especial se perde um pouco.

Para auxiliar você a conseguir, manter e desfrutar do sistema de financiamento de carro, existem diversas dicas de postura e algumas estratégias em fontes confiáveis, como a revista Valor Econômico. Veja aqui seis delas e, se tiver outras sugestões, mande pra gente.

Ah… e há até mesmo um alerta interessante ao fim desta apresentação.

Dica 06 – Pesquisa, questione, simule

A gente falou lá em cima que a internet é eficaz – pro lado do comprador também. Pesquise tudo o que for possível sobre a financiadora; discuta com eventuais clientes; simule negociação nos sites e use o “print” para registrar o resultado para o caso de precisar mostrar na agência.

Dica 05 – Não financie

Isso mesmo.  Se dispuser do valor total, ainda que sob muito esforço, compre à vista.

Dica 04 – Construa relações com instituições

Atualmente, a Tecnologia da Informação é altamente eficaz. Assim, instituições financeiras com aporte de financiadoras dispõem de bancos de dados exclusivos para analisar relações com seus clientes. Tudo entra nos registros dos históricos. As informações acabam compondo, então, o perfil do cliente.

Assim, se você puder esperar, preocupe-se em melhorar ou manter as boas relações com a instituição de sua confiança. Quanto menos problemas você apresentar (saldos negativos, atrasos nos pagamentos de parcelas, reclamações em redes sociais ou sites diversos – sim… pense atentamente nisso -, falta de respostas a eventuais contatos etc.), mais melhora seu perfil.

Assim, as chances de ver sua proposta de financiamento de carro aprovada são grandes.

Dica 03 – Aumente o valor da entrada

Uma financiadora visa lucro – claro que você sabe disso. O que talvez não saiba é que uma das formas de obter lucro é correr menos riscos de não ter lucro. Assim, quanto maior o valor que você oferecer de imediato na agência de veículos, menos dinheiro a financiadora vai tirar do próprio caixa.

Sim… é uma espécie de compra de crédito. Analise essa possibilidade.

Dica 02 – Comprove renda extra

Qualquer que seja: recebimento de dividendos, trabalhos esporádicos, recursos familiares, imóveis alugados etc. Mas sempre com comprovante.

Qualquer menção a rendas extras não comprováveis pode gerar ranhuras no relacionamento com a financiadora. Fuja desse subterfúgio.

Dica 01 – Agências não são financiadoras

Isso significa que agências têm convênio com determinada financiadora. Assim, não se contente com a proposta da primeira agência que encontrar. Talvez a financiadora de outra seja muito mais eficaz e atrativa.

Dica bônus 1 – Atenção às cláusulas da proposta

Por mais que você saiba disso, é sempre bom alertar: ainda há aquelas famigeradas letrinhas de pé de página. Atenção especial a elas. Mas não somente a elas.

Leia cláusula por cláusula. Se não compreender uma palavra, pergunte; se estranhar, pesquise. Analise frase por frase; verifique se determinado trecho não está conflitando com outros.

Se puder, mostre a proposta a algum conhecido envolvido com análise de textos. Você não tem ideia de como uma vírgula por resultar em problemas de interpretação.

Ainda, um alerta sobre financiamento de carro 

Não se espante, mas há uma prática estranha já registrada em alguns países capitalistas. E não é impossível que chegue ao Brasil. Trata-se do financiamento “ioiô”. O nome pode dizer algo sobre ele, mas não tudo: não é exatamente um golpe, mas tem a aparência de um.

  • Você vai à agência de veículos
  • Passa todas as informações
  • Recebe a notícia de que está tudo bem
  • Você se alegra, apanha as chaves do carro
  • Vai pra casa com ele

Dias ou semanas depois, a agência liga e diz que “infelizmente, o crédito não foi aprovado para o valor combinado”. Você vai precisar renegociar o valor com juros mais altos ou devolver o veículo.

Bem… você passou dias com o possante. Desfazer-se dele fica mais difícil. Então, tende a aceitar juros mais altos. Por outro lado, se optar por devolver o veículo, informam que há taxa de aluguel pelos dias de uso.

Sim… tudo respaldado em contrato. Situações semelhantes já foram vistas nos EUA. Logo chegam por aqui. Então, cuidado. Por isso, a dica bônus acima trata de alertar para que leia sempre, letra a letra, tanto a proposta de negociação quanto o próprio contrato de financiamento de carro, seja para a compra de carros novos ou carros usados.

Possuir um veículo é avanço; evitar problemas com financiadoras também.


Deixe uma resposta